imagens, registros e reflexões sobre a versão em HQ de "As Barbas do Imperador" de Lília Moritz Schwarcz

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Um detalhe besta. Será?


Eu pensava começar este blog com uma apresentação do projeto, com esboços, didaticamente, na ordem em que foram feitos...
Mas não é assim que acontece.
Enquanto estudava e me preparava para finalizar a HQ, estava mais preocupado em encontrar soluções do que em registrar.
E agora estou bem no meio do tiroteio, no calor da batalha, tentando cumprir a cota semanal que eu mesmo me impus, para honrar o compromisso de entregar pronta a HQ daqui a um ano.



Por isso, publico este primeiro post já com o bonde andando.

Esta ilustração que abre o post é a página 12, onde vemos o "golpe da maioridade" - políticos liberais põem fim à regência e D.Pedro II assume o trono aos 15 anos, três anos antes do previsto.

O detalhe mostra, supostamente, o prédio do Senado, conforme uma gravura que consultei, tanto em livros como na internet.
Mas comparem as duas referências abaixo, primeiro a gravura de Bretichen:




...e a gravura atribuída a N. Whillock (desenhista ou gravador?):


São diferentes, como se o prédio tivesse sofrido uma reforma, uma ampliação.

De fato, o prédio do Senado (outrora Palácio do Conde dos Arcos) sofreu várias reformas (em 1832 desabou o teto; reabriu em 1835 mas teve novas obras, etc). Por quase cem anos abrigou o Senado, que em 1925 vai para o palácio Monroe (demolido em 76) enquanto se construía o palácio Tiradentes.
Mas o edifício ainda existe - abriga a Faculdade de Direito da UFRJ, e a quantidade de janelas (cinco) da fachada que dá para a Praça da República (antigo Campo de Sant'Anna) bate com a gravura de Bretichen, mas não com a que usei, mesmo reformada. Há mais continuidade entre a gravura de Bretichen e o prédio atual.

Nesta gravura, de N. Whillock, o prédio mostra 9 janelas dos dois lados.

O conjunto das três faces visíveis do edifício é semelhante, em forma de "Z", mas a quantidade de janelas e o acabamento superior do edifício destoam tanto da gravura de Bretichen, quanto da fachada atual. Sou levado a crer que Whillock deu uma leve improvisada...
Confiram com estas fotografias do Google Maps e outras mais antigas:



Estas duas mostram o mesmo ângulo aberto, não-reto, da rua Moncorvo Filho:


Nas duas seguintes, vemos a mesma fachada de outro ponto de vista:



Nas duas anteriores, estamos à direita do prédio, em frente à antiga Casa da Moeda (atual Arquivo Nacional), olhando mais ou menos na direção do Corcovado (como podemos conferir pela imagem do Google Earth):

Por isso, embora seja apenas um detalhe, achei melhor redesenhar essa parte do cenário (graças ao milagre do Photoshop, não levou mais do que uma hora), baseando-me na gravura de Bretichen, mas no ângulo que permite mostrar o Corcovado para dar uma orientação reconhecível ao desenho.

Esse prédio aparecerá outras vezes, não me lembro agora se do lado externo, mas mostraremos o interior em pelo menos três ocasiões: no juramento de D.Pedro em 1840, no da Princesa Isabel em 1860 e na assinatura da lei Áurea, em 1888.

Não é nada assim tão importante que modifique o teor dos acontecimentos...

É apenas um prédio; bastaria dizer que ali funciona o Senado, e a maioria dos leitores sequer iria duvidar disso - e na hipótese remota de que um estudante de Direito da UFRJ, que soubesse que aquele prédio foi sede do Senado no Império, se desse ao trabalho de comparar a quantidade de janelas com o meu desenho, eu poderia sempre usar a desculpa de que me baseei num documento histórico, a gravura de Whillock (terá sido um projeto?).

Porém, percebo que é um bom hábito perseguir o real, e se não conseguimos o real, pelo menos o plausível, o que poderia ser real, o que se harmoniza com o que sabemos ser verdade.

E o real é onde os nexos se encontram: uma gravura se encaixa numa foto antiga, a foto antiga se encaixa numa foto moderna, a foto moderna se encaixa numa simulação virtual alimentada com dados reais, e todas essas informações se coerenciam entre si, de modo que uma nova informação, se duvidosa, logo salta aos olhos quando comparada com o edifício de informações confirmadas que pouco a pouco construímos - sólido como as paredes do velho Senado que ainda sustentam os andares superiores da Faculdade de Direito.

Cada detalhe besta é um tijolo...

5 comentários:

  1. Olá, Spacca,

    Aqui é o Sidney Falcão, desenhista e amigo de Cedraz, com qual trabalhei por 10 anos. Tive a satisfação de te conhecer quando você e sua esposa nos visitaram no estúdio de Cedraz, quando você estava produzindo o fantástico "Jubiabá".

    Descobri o blog da produção do álbum "As Barbas do Imperador" onde poderemos acompanhar o "making off". Já tenho o álbum do "D.João" e o "Jubiabá". Não vejo a hora de ver o "As Barbas do Imperador".
    Um abraço,

    Sidney

    ResponderExcluir
  2. "É só um prédio"? Spacca, isso é uma lição de otimismo. Que venha a construção toda da obra, e a planta dela aqui neste blog. Este link está nos meus favoritos. Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. só mesmo um bundão perde os detalhes de vista, hehe...

    ResponderExcluir
  4. SÓ MESMO SPACCA PRA SER TÃO PERFEITO E CRIATIVO!

    ResponderExcluir
  5. A ambientação está maravilhosa!

    ResponderExcluir